segunda-feira, 4 de julho de 2011

Da série: Coisas que só acontecem comigo

Tem coisas que só acontecem com gente, certo? Certíssimo! Às vezes, fico em dúvida se Murphy é meu anjo da guarda, ou, se existe uma grande câmera escondida que nunca para de filmar.

Ainda lembro, dos tempos de facul: 
Quarta-feira, prestes a sair de casa para aula, com o quê eu me deparo, em cima da maçaneta da porta? Sim! Era uma lagartixa. E, fato que eu tenho pavor de lagartixas. Mandei uma mensagem pra uma colega avisando a razão do meu atraso. Várias tentativas e nada da bichinha sair da porta. Até que, brilhantemente, taquei inseticida na infeliz, somente o necessário para entontá-la e fazê-la cair da fechadura. Escorracei-a de casa (só porque ela era mini) e lá fui eu para aula.
Quarta-feira seguinte, saio de casa, pego o elevador com mais três pessoas e ele para. Ligamos pra assistência e o técnico pergunta se pode ir no dia seguinte. (Tá de sacanagem, né? Tem QUATRO pessoas no elevador.) Novamente, mensagem para aquela colega justificar meu atraso.
Mais tarde ainda naquele dia, fico sabendo que minha colega, não muito crédula, mostra a mensagem para outra:
- Você acredita? 
- Com a Kamila? Óbvio! Essas coisas sempre acontecem com ela.

(...)

Semana retrasada, depois de uma semana de TPM forte e outra de enxaqueca nível máximo, vem o zelador e me diz que há um vazamento no banheiro do andar de cima. Ou seja, a parede do meu banheiro vai ter que ser quebrada. Quanta alegria! ¬¬ E mais, o trabalho vai ser em três dias (não entendi o motivo dessa piada de português): o primeiro para quebrar a parede, o segundo para trocar o encanamento e, finalmente, o terceiro para refazer a parede. Ainda argumentei que não havia indícios de vazamento no meu apê, mas né? O que que eu entendo disso?
1º dia: parede quebrada, sujeira do cão. Pedreiro não achou indícios de vazamento. É estranho ficar com a parede aberta. A noite, sozinha, escuto o barulho de louça quebrada. Ninguém me avisou, mas alguns azulejos tinham tendência suicida. Mais sujeira, eba! ¬¬
2ºdia: ouvi barulhos vindos do banheiro. Houveram ameaças, mas os que sobreviveram ainda estão colados na parede. Nada de encanador. Parede aberta me encara.
3º dia: os ameaçadores cumpriram a promessa. Cheguei em casa e metade da parede estava no chão. Nem sinal do encanador. Mais sujeira. A parede continua lá, aberta.
4º dia: o encanador deu uma olhada, não achou o vazamento.Apenas disse que ia trocar o cano mesmo assim e foi embora. Situação: Estou me apegando ao lado de dentro da parede.
Final de semana.
Hoje: nada de encanador. A parede continua aberta. Ele ligou e disse que vem amanhã às 08:00h. Aquele mesmo que faltou 3 dias e quando veio, foi no final da tarde. Ahan, senta lá, Claudia!

2 comentários:

  1. Eu não tenho medo de lagartixa...embora considere elas jacarés minúsculos e eu MORRO de ´pavor de jacarés/crocodilos...ainda bem que encontrar um jacaré é mais difícil que encontrar uma lagartixa, né!

    Me divirto te lendo...esses dias dei uma geral madrugada a fora pelo celular...hehe

    ResponderExcluir

Você não pode ter medo de um vegetal! (por Baby Patolino)