sábado, 17 de maio de 2014

Até quando?

Sabe quando você fica sem perspectiva do/no amanhã?

E todo dia é um dia com vontade suicida?
Eu não sei descrever "vontade suicida", mas, não tem ligação com vontade de morrer. Aliás, acho que sou muito egoísta para, se quer, pensar nisso. 

Entretanto, sabe quando você só liga "para o aqui e o agora"?

Danem-se os planos, o futuro, metas, tudo que não seja agora. E aqui. 

Tenho vontade de ir pro meio da passeata, de me meter em roubada, de conhecer gente, de estar numa mesa com amigos e estranhos, jogando conversa fora.
Afinal, tem épocas na vida que o único objetivo é não manter-se sóbrio. Quisera eu que fosse tão simples. 

Não sei explicar. Algo em mim muda. E acredito que não seja para melhor. 

Durante a semana, quando que venho direto para casa, espero o dia todo por: colocar meus fones, sair do trabalho e descer a Augusta.

Adoro descer a Augusta. Ainda tenho a impressão que algo vai acontecer naquele pequeno trajeto. 

Mesmo que não aconteça, adoro descer a Augusta. Ver as pessoas, os prédios, as pinturas, as fachadas (eu sorrio para as fachadas!) como se fosse a primeira e última vez. E, às vezes, é mesmo. 

Ultimamente, tenho me descoberto com novos adjetivos, dados pelos próximos: bem-humorada, pessoa do mundo, de vanguarda, alegria da equipe… Quem sou essa eu? Queria mesmo me sentir assim. 

Porém, tudo o que sinto é o aqui e o agora. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você não pode ter medo de um vegetal! (por Baby Patolino)