domingo, 12 de fevereiro de 2017

Balé: O Primeiro Dia

Eu sabia que não seria fácil, a começar pelo horário (Sábado de manhã? Por quê? Por quê?), mas resolvi tentar mesmo assim.

Os preparativos já começaram na sexta: ao invés de happy hour, agulha e linha.
Separei as coisas que tinha comprado, dois anos atrás, para começar o tão sonhado balé (mudanças de trabalho e estudos, que vocês já estão cansados de ler por aqui, fizeram com que eu adiasse a diversão), quando peguei as sapatilhas, percebi que, nem as tiras de elástico eu tive tempo de costurar, então... mãos a obra!

E, lá vamos nós no tal sábado de manhã! No horário combinado, estava eu lá, pronta para minha aula experimental de balé adulto iniciante com tudo a que tinha direito: coque, collant, meia, asinha e sapatilha.

A aula começou bem: O aquecimento foi ok, embora minha resistência e elasticidade de mais de 7 anos de sedentarismo não tenham colaborado muito. Entretanto, quando chegaram as sequências de exercícios, eu só conseguia pensar: "Sério que eles acham que eu vou lembrar disso tudo? Sério, que eles acham que eu vou conseguir alinhar o corpo todo? Sério que…? Opa! Essa eu consigo! Acho!? Talvez!? Errrr…. Sério? Sério? Sério?"

Em muitos pontos da aula, dei risada de mim mesma e minha total fatal de coordenação. Todos foram super compreensivos para com essa pessoa desajeitada. E, claro que eu não esperava sair dançando no primeiro dia, ao contrário, estava bem ciente das minhas limitações e dificuldades. Mas, cada vez que errava um passo, perdia o tempo, esquecia a sequência, só me vinha isso a mente:


No final do dia, eu já sentia o resultado da peripécia matutina: sabe aquele dolorido incômoda pós início de academia? Nem se compara! Estou descobrindo vários novos músculos que eu nem sabiam que existiam. Tudo dói. Andar, dói. Mexer o braço, dói. Digitar, dói. Respirar dói. Sonho de consumo do momento seria estar sedada e respirando com ajuda de aparelhos… =X

Anyway, mal posso esperar pela próxima semana!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você não pode ter medo de um vegetal! (por Baby Patolino)